Folheim for mobile

Mulher, verbo intransitável

Mulheres! O que sempre, nós homens, blasfemamos, até rugimos, quando não as entendemos, ou não as deciframos. Decifra-me ou te devoro! A verdade é que sempre somos devorados por elas.

Mas elas são mesmo indecifráveis ? Boa parcela dos raparigos, jovens, maduros ou mais idosos, dirão que são, sim, indecifráveis.

E talvez nos também sejamos de difícil compreensão para elas. E num mundo digitalizado como o que vivemos hoje, podemos afirmar que é mais fácil um relacionamento v... Leia +

(Marcio Poletto)

Editora Samba Books

Crônica

Uma homenagem à um tio querido...

Pedrinho, o Único que Brecou Pelé

Pedrinho pegou um banquinho na cozinha, sem que sua irmã, Olga, percebesse. Carregou-o até o quintal e posicionou-o encostado ao muro da casa vizinha. Subiu no banco, mas ainda teve que ficar na ponta dos pés, já que sua altura não passava dos... Leia +

(Marcio Poletto)

Comportamento

Vivendo a “vida loka”

Tenho uma teoria espiritual, muito particular, aliás. Acredito que Jesus Cristo olhe diariamente pra Terra e diga: “e pensar que eu fui crucificado por isto? Quanto desperdício!”.

Claro que sou um pouco exagerado. Claro que existem pessoas boas, sinceras, éticas, pessoas que são mais preo... Leia +

(Marco Clerris)

MP-Attus Softwares de gestão para Tradings

eBooks e Literatura


A ALMA ENCANTADORA DAS RUAS

(Clássicos - Editora Samba Books - ebook)

A alma encantadora das ruas, é uma reunião de textos publicados na imprensa carioca entre 1904 e 1907. O autor percorre as ruas do Rio de Janeiro para reter a sua essência e diversidade. A cidade vivia um processo de transformação acelerada, passando de séde da Monarquia para uma ambiciosa capital federal. Ela será o palco das perambulações de João do Rio, que costumava saturar seus textos de reminiscências decadentistas, mas o olhar que fixava no presente era o de um observador que se abria par... Leia +

sobre João do Rio


João do Rio, pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1881 — 23 de junho de 1921) foi um jornalista, cronista, tradutor e teatrólogo brasileiro.